SEGURANÇA E TECNOLOGIA

O curioso caso da exchange canadense

O curioso caso da exchange canadense
Tempo de leitura: 2 minutos

O caso da exchange canadense que perdeu o acesso aos fundos após a morte de seu CEO na Índia, em dezembro de 2018, despertou a atenção dos entusiastas das criptomoedas e da tecnologia blockchain.

E em um artigo, Edson Garrido, Chief Technology Officer da CoinBene, ressaltou as peculiaridades do acontecimento envolvendo a maior corretora de ativos digitais do Canadá.

Histórico

Recentemente, a corretora QuadrigaCX veio a público comunicar aos seus clientes e ao mercado que estava impossibilitada de acessar seus fundos armazenados em uma cold storage após o óbito de Gerald Cotten, que faleceu na Índia em virtude de problemas relacionados à doença de Chron.

A empresa detinha aproximadamente US$ 200 milhões confiados a ela por seus usuários. Em comunicado oficial, a empresa informou que não foi capaz de recuperar os ativos, para desespero de seus clientes, provocando uma série de reações negativas no mercado.

Conheça a CoinBene

Consequências

Garrido lembra em seu artigo que esse caso trouxe muita desconfiança à comunidade das criptomoedas, pois há meses a solvência da empresa era questionada por seus clientes em fóruns on-line. Inclusive algumas pessoas levantam a suspeita de má fé por parte da exchange canadense.

O especialista também comenta que é o primeiro caso envolvendo uma morte que acontece no mercado das moedas digitais. Outras ocorrências de falta de acesso às carteiras já aconteceram, mas sem envolver óbitos, e sim, descuido dos donos dos ativos, principalmente no período da alta do Bitcoin, no final de 2017.

Edson cita um caso inusitado envolvendo o investidor Philip Neumeier, que comprou 15 bitcoins por US$ 260 cada. Quando a moeda teve a maior cotação da história, o distraído entusiasta não se lembrava da senha de sua wallet, de modo que ele não conseguia acessar seu patrimônio que estava em mais de US$ 300 mil.

Neste caso, o investidor decidiu criar um supercomputador para quebrar o código por meio da força, mas essa tarefa tem prazo de conclusão estimado em 300 anos.

Lições que o caso deixa

Garrido destaca que, apesar de parecer “trágica”, a história deixa uma mensagem positiva: a garantia de segurança que as cold storages oferecem aos ativos digitais.

Elas ficam sempre offline e geralmente são usadas pelas corretoras para manter suas reservas de criptoativos longe da ação de hackers. A prática, quando somada a outras camadas de segurança como a criptografia de disco, é bastante eficaz e, portanto, normalmente adotada por exchanges sérias.

O CTO destaca que a principal anormalidade no caso da exchange canadense é deixar o acesso à cold storage limitada a apenas uma pessoa. Outras empresas adotam práticas diferentes, como deixar o acesso total dividido a mais de uma pessoa, ou criando uma divisão em que várias permissões, somente combinadas, liberem o acesso ao armazenamento.

Comentários

COMPARTILHAR
Notícias relacionadas
Tecnologia que abre as portas para novas carreiras
Bug no Bitcoin Core causa prejuízo milionário
Williams F1
Williams faz parceria para levar mais inovação à Fórmula 1