MERCADO

CAN: token que impulsiona seu conteúdo

Tempo de leitura: 1 minuto

Criado pela empresa MobiPromo, o Content AD Network é um token que serve para movimentar uma rede que distribui conteúdo publicitário segmentado.

Os principais mercados da companhia são Austrália, EUA, África, Sudeste da Ásia, China e Hong Kong.

O token Content AD Network, que também é conhecido como CAN, serve para alimentar a rede de distribuição de conteúdo (CDN) do sistema desenvolvido pela MobiPromo.

Esse sistema leva o mesmo nome da empresa.

Conheça a CoinBene

A plataforma impulsiona anúncios, descontos, banners e vídeos segundo a localização geográfica e o perfil  dessas pessoas.

Ou seja, o anúncio é enviado para clientes em potencial desses produtos ou serviços.

Como funciona o CAN?

O CDN é baseado na blockchain da rede Ethereum.

Através de contratos inteligentes os anunciantes podem estabelecer onde seus anúncios serão veiculados, por quanto tempo e o público que será impactado.

Quem recebe esses anúncios são clientes de vários tipos de estabelecimentos, como restaurantes, salões de beleza, bares, entre outros.

Vale destacar que, para poder fazer isso, eles precisam ter o token CAN.

Esses anúncios são distribuídos através de roteadores Wi-Fi que são instalados nos estabelecimentos comerciais.

Os clientes usam a rede sem fio desses locais para navegar na internet e recebem conteúdos que se adequam ao seu perfil de consumo.

Além disso, eles também recebem tokens CAN como recompensa.

Qualquer empresa pode comprar seu roteador e disponibilizar sinal de internet aos seus clientes.

Os donos dos estabelecimentos também recebem tokens como pagamento por atraírem clientes que receberão os anúncios e conteúdos publicitários.

Comentários

COMPARTILHAR
Redação CoinBene
Bem-vindo à (r)evolução do dinheiro. Sem notas, sem bancos, sem burocracia. Esse é o futuro!
Notícias relacionadas
Ethereum: hard fork Constantinople tem nova data
Ethereum: hard fork Constantinople tem nova data
CoinBene lista KickCoin (KICK) nesta segunda
Regras 2019
Normas globais para criptoativos devem entrar em vigor em 2019